Eficiência energética em sistemas de tratamento de águas residuais

Os encargos com energia são um dos maiores na exploração de sistemas de tratamento de águas residuais como é o caso da Águas do Tejo Atlântico.

O planeta exige a todos, pessoas e organizações, o uso eficiente da energia, reduzindo consumos desnecessários e aumentando a componente renovável nas instalações, no âmbito do conceito da Neutralidade carbónica.

Existe nestes sistemas, uma real capacidade de redução de consumos de energia, muitas das vezes implementando apenas medidas operacionais, com investimentos reduzidos, adaptado às condições de funcionamento das instalações, à sua realidade, ou ajustando comportamentos de operação.

Assim, é recomendável e vantajoso a implementação de um sistema de gestão de energia em que, de um modo sustentado são identificados os consumos de energia de acordo com os diversos usos significativos, por forma a conhecerem-se efetivamente os consumos em cada uso, seja de um equipamento ou de uma etapa de tratamento e se criem indicadores de desempenho relacionando de modo objetivo a produção com o consumo de energia por forma tornar a operação mais eficiente.

Para a implementação de um sistema de gestão de energia de modo sistemático e sustentado, existe um normativo, a ISO 50001, que permite que os sistemas de gestão de energia sejam construídos de acordo com um sistema internacional reconhecido.

Com um sistema de gestão de energia consegue-se, de facto, um controlo metódico e continuo dos consumos de energia e do desempenho das instalações.